Monday, 23 de May de 2022

Primeiro trimestre de 2022 será volátil para o setor da mineração, afetando economia e geração de empregos

Analista da Ohmresearch afirma que a produção, economia e empregos serão impactados, uma vez que o setor de mineração será bastante afetado pelas chuvas no primeiro trimestre de 2022

O mercado do setor da mineração será bastante afetado pelas chuvas no primeiro trimestre de 2022 e analista da Ohmresearch afirma que a produção neste período será impactada fortemente

Com os últimos acontecimentos no setor, o analista da Ohmresearch, Gilberto Cardoso, falou sobre as previsões para o mercado da mineração em 2022. Assim, as chuvas, que até essa terça-feira, (18/01), permanecem, podem gerar impactos maiores nas operações, além de impactaram na produção e na geração de empregos, que serão afetados negativamente durante todo o primeiro trimestre do ano, se tornando muito volátil para as empresas do ramo.

Veja também:

Setor de mineração passará pelo primeiro trimestre de 2022 sendo bastante volátil para as empresas do ramo e profissionais que buscam por empregos

As primeiras semanas de janeiros foram marcadas por suspensões realizadas pela CSN, Vale e Usiminas nas suas operações da mineração no estado de Minas Gerais, devido às fortes chuvas ocorridas na região. Assim, apesar de ser uma decisão tomada para garantir a segurança de todos na produção de minérios no estado, a suspensão das operações irá impactar negativamente o mercado da mineração durante o primeiro trimestre do ano de 2022. 

Assim, o analista da Ohmresearch, Gilberto Cardoso, comentou sobre os impactos desse momento nas vendas e operações do segmento e destacou que “esse primeiro trimestre vai ser muito volátil. O mercado tem muita liquidez por ‘N’ fatores. Subida de juros nos países desenvolvidos, sobretudo Estados Unidos, os preços voláteis das commodities. Então, qualquer impacto, como o da Vale dizendo que vai parar algumas unidades do Sudeste, impacta diretamente no preço do minério”. 

O analista da Ohmresearch ressaltou também que o primeiro trimestre dos anos geralmente é bastante afetado pelo período de chuvas, mas que esses recentes acontecimentos no estado de Minas Gerais irão impactar de maneira muito mais profunda o mercado da mineração. Mesmo estando cientes sobre o momento inicial de chuvas que ocorrem com constância, muitas mineradoras e empresas do setor não conseguiram prever um impacto tão grande como o que está acontecendo e poderão sofrer com esses acontecimentos. 

Impacto das chuvas no mercado da mineração também irá afetar demanda de empregos e economia do segmento neste primeiro trimestre de 2022

Gilberto Cardoso também ressalta a importância do setor da mineração para o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e para o desenvolvimento socioeconômico do Brasil, com a geração de novos projetos e postos de emprego a cada ano. Assim, o momento atual de suspensão das operações e atraso na produção de uma série de minérios, principalmente na região de Minas Gerais, irá afetar essa dinâmica fortemente. O impacto na economia do estado mineiro já é perceptível e a perda de capital com a suspensão na produção preocupa ainda mais as companhias do setor. 

Entretanto, o analista também ponderou que o setor da mineração é um dos mais acostumados com momentos de instabilidade repentina e que ele consegue se recuperar com facilidade. Dessa forma, ele prevê uma rápida recuperação após o período de chuvas finalizar, principalmente no estado mineiro, e que a volta das operações possa acontecer de maneira muito mais produtiva. O executivo ainda ressaltou que o segmento irá conseguir se reerguer de forma muito mais rápida em comparação com outros setores afetados, como é o caso da siderurgia brasileira. 

O que se espera agora é que as empresas mantenham a redução ou suspensão na produção dos seus minérios enquanto essa decisão seja necessária para a segurança de todos e que, assim que possível, elas possam retornar às operações. Com isso, o setor da mineração poderá se manter firme diante de mais um momento de crise, como já aconteceu em outros anos no segmento.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.