Sunday, 25 de July de 2021

Publicidade

Mineradora inglesa Anglo American reforça interesse em explorar terras indígenas na Amazônia

Mineradora Anglo american - mineração - amazônia

A Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), entre o Pará e o Amapá, uma das áreas mais preservadas da Amazônia, também é alvo das empresas

Uma das maiores mineradoras do mundo, a Anglo American, junto com duas subsidiárias brasileiras, tem quase 300 requerimentos de pesquisa registrados na Agência Nacional de Mineração que incidem sobre terras indígenas na Amazônia. Os requerimentos atingem 18 terras indígenas, algumas com a presença de povos isolados.

Leia também:

Anglo American ataca os TI Sawré Muybu

O mais recente alvo da Anglo American é a TI Sawré Muybu, no Médio Tapajós, onde vive o povo Munduruku. Cinco pedidos são de 2017 e 2019. Com o processo parado na Funai desde 2016, os Munduruku partiram para a autodemarcação do território e a defesa da TI por invasores.

O presidente Jair Bolsonaro acaba de encaminhar projeto de lei ao Congresso para autorizar a exploração em terras indígenas. Os Munduruku rechaçam qualquer projeto em seu território e acusam Bolsonaro de genocídio.

Anglo American e os seus planos de exploração para o Brasil

Maior produtora de platina do mundo, a mineradora Anglo American, com sede na Inglaterra e na África do Sul, tem planos para explorar cobre, ouro, níquel e manganês em requerimentos que incidem sobre terras indígenas na Amazônia brasileira.

Os dados obtidos pela Mongabay mostram que, além da própria companhia, a Anglo American também utiliza para isso duas subsidiárias brasileiras, as mineradoras Itamaracá e Tanagra. A prática torna mais difícil que os requerimentos registrados na Agência Nacional de Mineração (ANM) sejam relacionados diretamente com a Anglo.

Somadas, as três empresas têm 296 pedidos de pesquisa e disponibilidade em terras indígenas (TIs) que vão de Roraima, Amapá e Rondônia até o Pará, estado que é o principal alvo da multinacional. As terras visadas incluem algumas com a presença de povos indígenas isolados, como é o caso da Yanomami, em Roraima, e das Kayapó e Tucumaque, no Pará.