Monday, 23 de May de 2022

Chegada da Equinox Gold à Bahia irá impulsionar a expansão da mineração, com foco na exploração e produção de ouro, de acordo com as projeções da CBPM

A CBPM espera que o ano de 2022 seja de grande relevância para a expansão da mineração baiana, uma vez que o início da exploração e produção de ouro por parte da Equinox Gold irá impulsionar esse setor

A CBPM espera que o ano de 2022 seja de grande relevância para a expansão da mineração baiana, uma vez que o início da exploração e produção de ouro por parte da Equinox Gold irá impulsionar esse setor

A Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) comentou na última segunda-feira, (11/04), sobre a chegada da companhia Equinox Gold ao município de Santaluz, na Bahia, e as projeções para a mineração no ano de 2022. A companhia espera que a exploração e produção do ouro por parte da empresa na região possa ser essencial para um crescimento do setor ao longo deste ano, impulsionando também o desenvolvimento socioeconômico do estado.

Leia também:

Vídeo: Conheça um pouco mais dessa companhia que promete revolucionar o setor na Bahia

Equinox Gold é um das promessas para impulsionar o setor de mineração na Bahia. Fonte: YouTube

Equinox Gold irá realizar a exploração e produção de ouro em sua nova planta de mineração na região de Santaluz e será essencial para o estado da Bahia em 2022

O estado da Bahia conta com uma grande relevância no cenário da mineração nacional e, somente durante o ano de 2021, gerou uma arrecadação de CFEM (Compensação Financeira pela Exploração Mineral) de mais de 30 milhões de reais, conforme dados da Agência Nacional de Mineração (ANM). Agora, novos rumos e portas estão sendo abertas na região e o esperado é que o ano de 2022 seja essencial para uma expansão ainda maior da produção mineral dentro do estado. 

A companhia de produção e exploração de ouro Equinox Gold chegou ao estado no município de Santaluz, onde desenvolveu um projeto de mineração voltado para essa matéria-prima e, com isso, a CBPM espera um grande impulso dentro do segmento no estado. Somente ao longo de 2022, a empresa estima uma produção de 70 a 90 mil onças de ouro, e, no período de um ano inteiro, a expectativa é que a empresa alcance a marca de 100 mil onças, o que equivale a mais de três toneladas de ouro.

A empresa finalizou a sua primeira fundição de ouro do circuito de resina e eluição já no final do mês de março e, com isso, avançou bastante para o início da exploração e produção do ouro no estado ao longo do ano. Dessa forma, o setor da mineração será altamente impulsionado pela chegada da gigante no ramo dentro do estado e a CBPM está projetando um grande ano para o segmento na Bahia, que já possui um grande portfólio mineral. 

CBPM comenta sobre chegada da Equinox Gold à Santaluz e destaca que área possui um grande potencial de expansão para uma produção ainda maior de ouro

A área de atuação da Equinox Gold em Santaluz possui um alto potencial de expansão no que diz respeito à produção e exploração do ouro, levando em consideração a planta dentro do Greenstone Belt que se estende entre Santaluz e a Mina Fazenda, em Teofilândia, de acordo com os dados da própria CBPM, que espera utilizar essa grande área para novos empreendimentos junto à mineradora. 

Assim, o presidente da CBPM, Antonio Carlos Tramm, comentou que “A Bahia é um estado com uma grande diversidade mineral. Em 2021 registramos a produção de 43 tipos de minérios diferentes e sem dúvida o ouro tem um destaque muito importante. O início da produção trará resultados importantes para o nosso estado e ficamos ainda mais contentes porque tudo isso só foi possível graças ao trabalho árduo de pesquisa realizado pela CBPM, que hoje é a única empresa de estado, responsável por pesquisa mineral no país”.

Com isso, a CBPM e o governo da Bahia pretendem, juntos, realizar um forte investimento no setor da mineração ao longo do ano de 2022, para garantir um bom aproveitamento da chegada da Equinox Gold ao estado.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.