Thursday, 20 de January de 2022

Mineração Usiminas faz a inauguração de sistema para tratamento de rejeitos da mineração sem uso de barragens

Mineração Usiminas inaugurou um sistema de disposição de rejeitos filtrados das operações do setor de mineração, visando abolir o uso de barragens

A Mineração Usiminas inaugurou o seu sistema de disposição de rejeitos filtrados das operações do setor da mineração, visando abolir o uso de barragens em Minas Gerais

Durante esta última quarta-feira, (05/01), os representantes da Mineração Usiminas comentaram acerca da inauguração do seu novo sistema de disposição de rejeitos filtrados, com o objetivo de abolir o uso de barragens nas operações do setor da mineração no estado de Minas Gerais e garantir um descarte mais adequado desses resíduos.

Leia também:

Sistema de disposição de rejeitos filtrados é inaugurado pela Mineração Usiminas em Minas Gerais para abolir o uso de barragens

A gigante do setor da mineração, a Mineração Usiminas, inaugurou no último mês, com a presença do presidente do SINDIEXTRA, Luiz Márcio Viana, em Itatiaiuçu, o Sistema de Disposição de Rejeitos Filtrados (Dry Stacking). Essa nova ferramenta irá permitir que a empresa possa abolir o uso de barragens no tratamento dos rejeitos das operações minerais no estado de Minas Gerais e contribua com a agenda ambiental, reduzindo os impactos causados por todos os processos de beneficiamento de minério.

O investimento realizado para a construção do projeto foi de R$ 235 milhões e a planta de filtragem é conectada ao processo de beneficiamento, além de que foram gerados cerca de 600 postos de trabalho de forma direta e indireta durante o projeto de construção e, atualmente, estão empregadas cerca de 120 pessoas no local. Com isso, a companhia consegue não só contribuir com a agenda ambiental e a redução dos impactos ambientais como também ajudar no desenvolvimento socioeconômico da região. 

O diretor-presidente da Mineração Usiminas, Carlos Rezzonico, comentou acerca do sistema de disposição de rejeitos da mineração e destacou que “Buscamos padrões de excelência nacionais e internacionais, visando tornar nossos processos ainda mais seguros e sustentáveis. É muito gratificante entregar essa planta, cumprindo mais um compromisso da nossa companhia com a sociedade”, além de destacar que o sistema irá reduzir a necessidade de captação em rios ou poços de água para os processos. 

Inauguração do sistema de disposição de rejeitos filtrados faz parte da agenda ESG da Mineração Usiminas para os próximos anos

A Mineração Usiminas está cada vez mais investida no cenário ambiental e em atrelar a sustentabilidade nas suas operações e, durante o ano de 2018, a companhia protocolou o pedido de licenciamento ambiental do Sistema de Disposição de Rejeitos Filtrados na Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram). Assim, a companhia está com diversos projetos voltados para a área, que incluem a migração da disposição de rejeitos do método convencional para a filtragem, acompanhada pela descaracterização das barragens construídas pelo método a montante.

Somente durante o ano de 2020, a empresa já conseguiu um grande avanço para o setor da mineração e fez a conclusão da descaracterização da barragem Somisa. Agora, a empresa está buscando a descaracterização da Barragem Central, enquanto a barragem Samambaia, construída no método a jusante e ainda em operação, foi desativada durante o mês de dezembro, como resultado da inauguração do Dry Stacking. Assim, a companhia segue com seus esforços para manter a sustentabilidade dentro das suas operações e expandir ainda mais a iniciativa no cenário da mineração. 

O presidente da companhia também destacou a relevância do sistema para a captação de água e afirmou: “O Sistema de Disposição de Rejeitos Filtrados tem custos de implantação e de operação superiores aos das barragens de rejeitos convencionais. Porém, para a Mineração Usiminas, o mais importante são os ganhos ambientais, os padrões de segurança e o conforto dos colaboradores e das comunidades vizinhas”.

Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.