Início Setor mineral divulga carta com propostas para de ações para coibir os garimpos clandestinos  




Setor mineral divulga carta com propostas para de ações para coibir os garimpos clandestinos  

agosto 27, 2022 às 8:26 am
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Simpósio de empresas mineradoras do setor mineral carta contra o garimpo
Encerramento do Simpósio do Ouro e a Feira de Mineração da Amazônia | Fonte: Comunicação ABPM

Mineradoras estão preocupadas com eventuais mudanças na legislação que regula o setor e pede mais agilidade na concessão de licenças, além de ações para coibir os garimpos clandestinos.

Ao final do Simpósio do Ouro e da Feira de Mineração da Amazônia, promovidos pela Associação Brasileira de Pesquisa Mineral e Mineração (ABPM) dos dias 23 a 25 deste mês, na Estação das Docas, em Belém, os participantes divulgaram ontem, durante o encerramento, a Carta de Belém, documento em que destacam pontos que consideram importantes sobre a atividade, no Estado do Pará.

No documento, eles afirmam que a mineração “é importante para a atividade econômica do País e geradora de emprego e renda e está  comprometida sócio-ambientalmente e sofre desgaste com a concorrência desleal dos garimpos ilegais, o que agride o meio ambiente e comete o descaminho”.

Artigos recomendados

Os signatários da carta se reportam aos dirigentes públicos, candidatos a cargos eletivos neste ano, reiterando a necessidade de que “sejam adotadas medidas que favoreçam a promoção de um ambiente de negócios mais atrativo para a mineração, bem como a elevação da competitividade do setor”. Eles também manifestam preocupação com eventuais mudanças na legislação mineral, que “só trazem insegurança e afugentam investidores”.

Na carta, os participantes do encontro admitem que o Código de Mineração não é uma Lei perfeita, mas que é uma Lei que organiza a atividade e dá devida e necessária segurança jurídica e que na hipótese de eventual alteração na legislação, “existem alguns pontos que devem ser mantidos, como por exemplo, direito de prioridade: regramento fundamental para garantir o acesso democrático ao direito minerário e concessão de lavra por tempo indeterminado, “critério fundamental para que o investidor possa ter a tranquilidade de ver o retorno do capital investido”.

 Entre as diversas propostas que apresentam estão: “que o setor contemple uma política mineral desenvolvimentista, com regulação, e mais inclusão; que a mineração seja prestigiada com mapeamentos geológicos, através de parceria pública e privada para pesquisa, infraestrutura e tecnologia; que os órgãos reguladores simplifiquem os procedimentos de emissão de licenças ambientais e supressão da burocracia, com mais agilidade, uma vez que este é um dos principais fatores para atrair capital de risco para o país”.

Abaixo, a íntegra da carta, com todas as propostas elencadas.

CARTA DE BELÉM

Os participantes do Simpósio do Ouro – Brasil 2022, reunidos na cidade de Belém, no estado do Pará, durante os dia 23 a 25 de agosto, representados pela Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral e Mineração – ABPM, mostraram que a atividade mineradora industrial é importante para atividade econômica do país e geradora de emprego e renda e está comprometida sócio-ambientalmente, mas que sofre desgaste com a concorrência desleal dos garimpos ilegais, o que agride o meio ambiente e comete o descaminho. Manifestam-se, ao final deste evento, para dirigentes públicos, candidatos a cargos eletivos neste ano, a necessidade de que sejam adotadas medidas que favoreçam a promoção de um ambiente de negócios mais atrativo para a mineração, bem como a elevação da competitividade do setor e, assim, consideram:

  1. Que ameaças de mudanças na legislação só trazem insegurança e afugentam investidores;
  2. Que o Código de Mineração não é uma Lei perfeita, mas é uma Lei que organiza a atividade e dá devida e necessária segurança jurídica;
  3. Que os regimes de autorização e concessão, como são hoje, são juridicamente seguros;
  4. Que na hipótese de eventual alteração na legislação existem alguns pontos que devem ser mantidos, como por exemplo, direito de prioridade, regramento fundamental para garantir o acesso democrático ao direito minerário; Concessão de Lavra por tempo Indeterminado, critério fundamental para que o investidor possa ter a tranquilidade de ver o retorno do capital investido.

E, desta forma, propõem:

  • Que o setor contemple uma política mineral desenvolvimentista, com regulação, e mais inclusão;
  • Que a mineração seja prestigiada com mapeamentos geológicos, através de parceria pública e privada para pesquisa, infraestrutura e tecnologia;
  • Órgãos reguladores simplifiquem os procedimentos de emissão de licenças ambientais e supressão da burocracia com mais agilidade, uma vez que este é um dos principais fatores para atrair capital de risco para o País;
  • A retomada das ofertas públicas, a burocracia e a insegurança fiscal são, pois, fundamentais para atrair capital de risco para o país.
  • Que o garimpo ilegal que invade unidades de conservação e terras de povos originários, desrespeitando a legislação e o meio ambiente, deve ser combatidos de forma implacável;
  • Torna-se urgente a simplificação de procedimentos para outorga de direitos minerários em faixa de fronteira;
  • Direito Minerário como garantia seja extensivo a todos os direitos minerários;
  • Inventivo fiscal para capital de risco na pesquisa mineral, particularmente, com relação à listagem de empresas e mercado nacional;
  • Maior segurança jurídica quanto à definição da compensação tributária (ICMS);
  • Trazer para a Lei a Declaração de Utilidade Pública (DUP), elevando o seu status e a sua segurança jurídica;
  • Entendemos que dois temas afetos à mineração foram recentemente objeto de novas Leis e dispensariam quaisquer mudanças, a saber: Lei de Segurança de Barragens (Lei Nº 14.066/ 2020) e Lei da CFEM (Lei Nº 13.540/2017).

Certos de que tais medidas em muito contribuirão com a diversificação da produção mineral, o aumento da competitividade e a pluralidade de empresas no setor.

Belém, 25 de agosto de 2022 | Associação das Empresas de Pesquisa Mineral e Mineração (ABPM)

Relacionados
Mais recentes