Início Barragem Baixo João Pereira é completamente descaracterizada e eliminada pela Mineradora Vale em Congonhas




Barragem Baixo João Pereira é completamente descaracterizada e eliminada pela Mineradora Vale em Congonhas

agosto 4, 2022 às 9:04 am
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Mineradora Vale
Mineradora Vale (Reprodução: divulgação)

A mineradora Vale iniciou o mês de agosto com o anúncio de que a barragem Baixo João Pereira, que continha os sedimentos das operações da Mina de Fábrica, em Congonhas, foi completamente descaracterizada. Em nota, Mineradora Vale afirmou que a estrutura tinha método a montante e decidiu por sua eliminação, com a remoção total dos sedimentos, dos alteamentos e dos maciços.

De acordo com a Mineradora Vale, a barragem em Congonhas é a oitava estrutura do tipo eliminada nos últimos três anos, desde que iniciou o Programa de Descaracterização da empresa. Durante as obras de eliminação da barragem Baixo João Pereira, foram criados cerca de 230 empregos, sendo a maior para residentes da região de Congonhas.

Posteriormente, para substituir a barragem eliminada, a Mineradora Vale iniciou a construção de uma nova estrutura, que conta com uma etapa única e métodos mais seguros, mas que pretende cumprir a mesma função, além de manter o controle ambiental da região. Para a conclusão da nova estrutura, é esperado que isso ocorra até o fim do ano, onde não haverá mais moradores na Zona de Auto Salvamento da barragem.

A eliminação de barragens a montante ocorreu como parte do compromisso da Mineradora Vale para que os municípios onde a mineradora atua não aconteça o que ocorreu em Brumadinho, em 2019, onde 270 pessoas morreram após o rompimento da barragem B1 da Mina Córrego do Feijão.

Para realizar todo o processo, bem como as demais atividades do programa de descaracterização da Vale, temos o acompanhamento dos órgãos competentes e pela auditoria técnica do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

Além da estrutura descaracterizada em Congonhas, a Mineradora Vale também anunciou que o Dique 4 da barragem Ponta, situado em Itabira, também foi eliminado. A estrutura não recebia rejeitos desde 2014 e todo o material removido foi disposto em uma área devidamente preparada dentro do próprio Sistema Pontal.

Para realizar esse procedimento, a Vale contou com cerca de 130 trabalhadores, diretos e indiretos, sendo que mais de 70% era de mão de obra de Itabira, que atuavam nas atividades. Além disso, as obras complementares na estrutura, como drenagem e revegetação da área, seguirão acontecendo durante este semestre.

Em nota, a Mineradora Vale reitera que as obras de descaracterização são extremamente complexas, por terem soluções customizadas para cada estrutura, e que estão sendo realizadas de forma altamente cautelosa. Sendo assim, 30 estruturas construídas pelo mesmo método da barragem de Brumadinho, ao todo, já estão sendo eliminadas desde 2019. Até o fim deste ano, serão 12, o que representa 40% das estruturas previstas no Programa de Descaracterização da Vale.

Descaracterização de barragens

Reprodução: Canal Insight Educação

Leia mais: Levantamento da FIEMG aponta que Minas Gerais é responsável por 40% da produção mineral do Brasil, sendo referência no setor de mineração.

Mineradora Vale promove reparação por danos causados em Brumadinho

Na última quarta-feira,03, a Vale informou que desembolsou cerca de R$27 bilhões para assegurar a reparação e compensação dos impactos causados pelo rompimento da barragem B1, em Brumadinho, fato que ocorreu em 2019, sendo quase R$5 bilhões para obras de eliminação das barragens construídas a montante.

Ao todo,  a Mineradora Vale informou que os valores desembolsados também incluem R$18,5 bilhões em um acordo judicial com o Governo de Minas Gerais, além de R$3,1 bilhões em indenizações, que cabe aos acertos com mais de 13 mil pessoas.

O acordo judicial, que ocorreu em 2021, tem um valor médio estimado em R$37,7 bilhões de reais, e visa reparar os danos ambientais e sociais causados pelo desastre em Brumadinho, que matou 270 pessoas, em janeiro de 2019. No acordo, a Vale se comprometeu a fazer os repasses necessários para Minas Gerais, além de aplicar outros recursos em programas de mobilidade urbana e de fortalecimento de serviços públicos da região.

Relacionados
Mais recentes